1 de jan de 2013

Desabafo sobre a (in)tolerância...



__ O presente da minha amiga oculta não tem glúten!

E todos riem! Claro, tenho que entrar na onda também, para não ganhar mais uma lavada. E uma brincadeira boba mostra até onde não vai a (in)tolerância humana. Qualquer defeito, problema, doença ou estilo diferentes torna-se uma aberração digna de Homem Elefante em circos demoníacos. 

E assim, a Mulher Elefante pega seu presente e esquece o assunto. 

Mas não há que esquecer. A palavra tolerância provem do latim tolerantia, que por sua vez procede de tolero, e significa suportar um peso ou a constância em suportar algo. Teve no passado, e com sentido negativo, a função de designar as atitudes permissivas por parte das autoridades diante de atitudes sociais impróprias ou erradas. Hoje em dia, pode ser considerada uma virtude e se apresenta como algo positivo. Esta é uma atitude social ou individual que nos leva não somente a reconhecer nos demais o direito a ter opiniões diferentes, mas também de as difundir e manifestar pública ou privadamente.

Somos seres sociais. Diferentes. Não fomos produzidos em séries, não temos, na família, um ISO de qualidade absoluta. E isso nos faz humanos. 
Fiquei pensando em qual poderia ser outro "defeito" ou "problema" que fosse oposto à tolerância. 

Se fosse, um cego, seu presente teria olhos? Ou um diabético, teria açúcar? 
Por que é tão impossível tolerar?    

Tolérance n’est pas quittance, que  traduz por: "Tolerância não é liberdade total..."

Numa pequena cidade do interior, um deficiente físico, sem pernas, perambulava pela cidade com auxílio das duas mãos e o apoio do tronco. Durante anos, no seu trajeto, era debochado por um homem que dizia: - Vai gastar o... Um dia ele perdeu a paciência e matou o importunador. Na justiça, o aleijado foi duramente atacado, e tido como assassino cruel. O advogado, ao iniciar a defesa, falou durante dez minutos elogiando a qualidade de cada membro do júri, até que o juiz interrompeu: - Se o senhor não iniciar a defesa, não permitirei que prossiga. Sabiamente, o advogado respondeu: - Meritíssimo, se o senhor não agüentou dez minutos de elogios, imagine a situação do réu que suportou anos de insultos... 
Nestes casos, pode valer o provérbio: "Não seja intolerante a menos que você se confronte com a intolerância".

Existem Bolsonaros por toda parte. E ai daquele que se diz diferente. Será colocado no palco do Homem Elefante.

E assim vamos passando pelo sou-fria sofria. 

E pior: carregar as heranças genéticas que nos fizeram diferentes. As heranças que estão dentro de cada um, e que se manifestam em poucos. 

Aprimorar a paciência requer alguém que nos faça mal e nos permita praticar a tolerância, dizia Dalai Lama.  

E assim, vamos praticando nas risadas amarelas a tolerância com os intolerantes. 

Nenhuma qualidade humana é mais intolerável do que a intolerância.
Giacomo Leopardi


  

 

 

2 comentários:

Maria Carolina disse...

Muito bacana!!! ;)

Hele Helena disse...

Disse tudo, filha! Como as pessoas são "intolerantes"! Até pessoas da sua própria família fazem piada com seu problema. Seja "tolerante" com eles, pois além de "intolerantes" são IGNORANTES. bj. Te amo.

Postar um comentário